Psicóloga destaca que trabalhar aspectos psicológicos também é importante nos casos de Diabetes

  • quinta-feira, novembro 23, 2017
  • By Blog OkLadies
  • 0 Comments





Renata Stulp Scheide destaca que a nutrição aliada ao acompanhamento psicológico fazem uma grande diferença na rotina e na qualidade de vida dos pacientes com Diabetes.
No mês de novembro comemora-se o Dia Mundial do Diabetes. A data foi criada para conscientizar a população sobre a doença que afeta 8,9% de toda a população brasileira. O dado é alarmante especialmente porque esse número cresce um pouco mais a cada dia. A falta de uma rotina de cuidados com a saúde e o estilo de vida cada vez mais acelerado nas cidades, com pouca atenção à alimentação, são alguns dos fatores que contribuem para o maior número de casos da doença.
Por ser uma doença crônica - na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz - o diabetes além dos aspectos fisiológicos e nutricionais também tem um impacto significativo na vida social dos indivíduos. De acordo com a psicóloga Renata Stulp Scheide, o tratamento do diabetes deve ser multidisciplinar, envolvendo o médico e também o acompanhamento nutricional e psicológico.
"Tenho realizado um trabalho em conjunto com a nutricionista Francieli Vasata, educadora em diabetes, que tem tido excelentes resultados", ressalta. A psicóloga afirma ainda que esse acompanhamento faz uma grande diferença na rotina e na qualidade de vida do paciente. 
"Trabalhar os aspectos psicológicos é tão importante quanto o cuidado com a dieta. Afinal o diabetes é uma doença com difícil aceitação, pois no geral há dificuldade na mudança da rotina - incluindo dificuldade para participar de eventos sociais. Por conta disso, é comum o surgimento de depressão entre os pacientes", explicaa psicóloga.
Além disso, Renata Stulp Scheide destaca que é possível também lançar mão de algumas terapias para ajudar o paciente com diabetes a aceitar sua condição e diminuir a compulsão por doces. "Além da psicoterapia tenho casos em que utilizo a técnica da hipnose para trabalhar o controle de ansiedade nesses pacientes e ainda lanço mão de técnicas para trabalhar a aversão ao doce", finaliza.






Também recomendamos

0 comentários